PARA QUE SERVE ÓLEO DE COPAÍBA? Conheça 7 benefícios da copaíba para sua saúde e bem estar

A copaíba, árvore originária da América Latina e da África Ocidental, é especialmente abundante no Brasil, sobretudo nas áreas amazônicas.

Popularmente denominada de copaibeira, pau-de-óleo e óleo de copaíba, essa espécie desempenha um papel significativo na biodiversidade das regiões em que prospera.

Extraído do tronco da árvore, o óleo de copaíba é um óleo vegetal com aplicações notáveis nas indústrias cosmética e farmacêutica, sendo amplamente empregado para fins medicinais.

IR PARA RADIOJORNAL.COM.BR

Suas propriedades incluem ação antibiótica, anti-inflamatória e cicatrizante, tornando-o um recurso valioso em diversos contextos terapêuticos.

Confira, a seguir, 7 benefícios do óleo de copaíba.

Potencial antisséptico e antitetânico

Expectorante

A aplicação de quatro gotas de óleo de copaíba misturado com mel ajuda na expectoração.

Infecções

Fazer gargarejo com o óleo ajuda em inflamações de garganta e de amigdalite. Também é eficaz para infecções genitais e hemorroidas.

IR PARA RADIOJORNAL.COM.BR

Antitumoral

Capacidade de agir contra as células cancerígenas responsáveis pelo câncer de mama, de próstata e de cólon.

Combate reumatismo e dores musculares

Fazer massagem com o óleo de copaíba ativa a circulação sanguínea, aliviando dores, reumatismo e inflamações. Também auxilia no tratamento de gota.

Doenças de pele

Por ser anti-inflamatório, quando aplicado sobre a região afetada. Ele auxilia no tratamento de dermatites, urticárias, psoríase, acnes, herpes, feridas, leishmaniose, picadas de insetos e picada de cobra.

Ajuda a estancar hemorragias

Esta matéria contém informações do site Ecycle.

Ler Mais

Veja as principais notícias do dia em radio-jornal-new

IR PARA RADIOJORNAL.COM.BR

“A matéria apresentada neste portal tem caráter informativo e não deve ser considerada como aconselhamento médico. Para obter informações fornecidas sobre qualquer condição médica, tratamento ou preocupação de saúde, é essencial consultar um médico especializado.”

>

Gostou do conteúdo?

ver mais webstories